terça-feira, 5 de junho de 2012

A relação entre pais e a escola pode afetar alunos


Folha da Região - 05/06/2012 (B6)


As dificuldades na aprendizagem de ler e escrever de crianças podem ser originadas por diversas razões, como por exemplo na relação entre pais dos estudantes e a escola. Na Faculdade de Educação (FE) da USP, uma pesquisa analisou a relação entre os pais e a escola de alunos com problemas no letramento e percebeu a necessidade de haver um profissional nas unidades de ensino que trabalhe as relações entre os estudantes, a escola e os familiares.
Para a psicanalista Mariana de Campos Pereira Giorgion, que realizou o estudo, existe, no universo do ensino público um imaginário de que os pais não têm condições de apoiar a educação escolar dos filhos. Esta impressão faz com que se crie uma dinâmica entre familiares e a instituição de ensino que não é saudável para a aprendizagem.


A pesquisa estudou o campo relacional de pais de três alunos que apresentaram dificuldades de letramento numa escola estadual na cidade de São Paulo. O acompanhamento das crianças foi feito pelo Grupo de Oralidade e Escrita da FE, entre 2008 e 2010. “A coordenação da escola vê os pais como ausentes e distantes no aprendizado dos filhos”, afirma a pesquisadora. Do outro lado, os familiares também sentem dificuldades de se aproximar do contexto escolar. Entretanto, o fato de a escola não conhecer o histórico escolar ou familiar dos alunos pode prejudicar o letramento. O estudo O contexto do não texto: campos relacionais de pais e escola é a dissertação de mestrado de Mariana e foi orientado pelo professor Claudemir Belintane.
A baixa frequência dos alunos em aulas é um dos principais causadores das dificuldades na aprendizagem de ler e escrever. Como as crianças analisadas têm entre seis e sete anos, a decisão de não ir à aula não é apenas delas: esse problema está intimamente ligado à relação com os pais. É possível, assim, notar um ciclo problemático em que a relação entre os pais e os filhos afeta o desempenho escolar. “A instituição de ensino, por sua vez, não investiga essa relação por conta de uma visão estereotipada que tem dos familiares de seus estudantes”, afirma a psicanalista.

ENTREVISTAS
As histórias familiares das três crianças analisadas no estudo são muito diferentes entre si, o que demonstra que os problemas escolares não vêm de um fator comum. As escolas acreditam que os pais não se preocupam com o aprendizado dos filhos, mas isso não é o que foi verificado na pesquisa. As crianças reproduziram sintomas das relações familiares no âmbito escolar, e isso se apresentou como deficiências no letramento.
Uma das mães entrevistadas contou que a filha sempre foi muito dispersa, chegando a ser alheia a quase tudo que estava a sua volta. Na escola acontecia a mesma coisa: não prestando atenção e não se empenhando no letramento, a criança demonstrou dificuldades. Essa característica parece ser espelhada no próprio alheamento da mãe à filha, pois ela passava por grandes jornadas de trabalho e tinha outros filhos para cuidar. Esta que apresenta problema é a mais nova e, na verdade, tê-la teria sido um desejo apenas do pai.
O pai do segundo aluno analisado, como conta a mãe, era um traficante. Assim, o filho foi criado num contexto de criminalidade e violência. A mãe procurou colocá-lo nesta escola para tirá-lo daquela realidade, mas o filho reproduziu o contexto violento de sua vida nos estudos, se tornando uma criança que causava muitos problemas na instituição. As queixas de dificuldade de letramento apresentadas pela escola, dessa maneira, vinham como um grande empecilho na visão daquela mãe. “Ela sentia que estavam querendo tirar a ótima oportunidade de vida que o filho estava tendo”, conta Mariana sobre o relato.
A família do último aluno mostra um problema completamente contrário a ausência relatada pela coordenação da escola. Os pais do aluno, tão preocupados com a sua aprendizagem, colocam uma pressão enorme no filho. Quando este apresenta dificuldades, a decepção dos pais e a vontade de que ele melhore é tão grande que chegam a castiga-lo pelos erros. O resultado é o abafamento da capacidade criativa da criança, causando cada vez mais problemas no letramento.


3 comentários:

  1. Ayne, mas que maravilha essa matéria, gostei demais! Recentemente conheci o Ler para Crescer no facebook, qdo alguma amiga minha do meu face publicou algo. Bom, desde então 'bisbilhoto' o face de vocês e sou uma admiradora. Hoje fiquei surpresa ao saber que têm um espaço no jornal e que trabalham tão bem pela nossa educação brasileira, como 'colega de profissão' te parabenizo pelo excelente trabalho que realiza. Continue, sempre! Eu tenho um blog, chamado Aprendizagem Humana, se uma hora puder, conheça-o, é www.robertapimentel.com.br. Mas quero aproveitar para ressaltar o quanto o seu tema de hoje sobre o vínculo da família com a escola é importante!!!!!! Isso precisa ser divulgado cada vez mais. Há poucos dias publiquei algo que tem certa semelahança com seu artigo...veja se gosta:
    http://www.sermaeetudo.com.br/2012/05/coluna-aprendizagem-humana-por-roberta-pimentel-9/#more-2739

    Abraços, Roberta Pimentel.

    ResponderExcluir
  2. Ayne, mas que maravilha essa matéria, gostei demais! Recentemente conheci o Ler para Crescer no facebook, qdo alguma amiga minha do meu face publicou algo. Bom, desde então 'bisbilhoto' o face de vocês e sou uma admiradora. Hoje fiquei surpresa ao saber que têm um espaço no jornal e que trabalham tão bem pela nossa educação brasileira, como 'colega de profissão' te parabenizo pelo excelente trabalho que realiza. Continue, sempre! Eu tenho um blog, chamado Aprendizagem Humana, se uma hora puder, conheça-o, é www.robertapimentel.com.br. Mas quero aproveitar para ressaltar o quanto o seu tema de hoje sobre o vínculo da família com a escola é importante!!!!!! Isso precisa ser divulgado cada vez mais. Há poucos dias publiquei algo que tem certa semelahança com seu artigo...veja se gosta:
    http://www.sermaeetudo.com.br/2012/05/coluna-aprendizagem-humana-por-roberta-pimentel-9/#more-2739

    Abraços, Roberta Pimentel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Roberta, pelo incentivo. Vou conhecer seu blog também. E lembre-se: nosso espaço está aberto para profissionais como você. Colabore conosco. Abraços. Ayne

      Excluir