terça-feira, 26 de junho de 2012

"Jornal é um instrumento maravilhoso", diz educadora

Folha da Região - 26/06/2012 (B6)


A educadora Susana Carvalhaes Ferreira Fregonesi, diretora pedagógica do Colégio Geração Raízes, no bairro Nova Iorque em Araçatuba, abriu espaço na grade curricular deste ano para aulas especiais de português, cujo diferencial é o uso permanente de jornais como ferramenta didática. A escola, construtivista, atende crianças da educação infantil ao 9º ano, com ensino bilíngue (português-inglês), aulas de espanhol e francês, literatura e música, além das disciplinas tradicionais.
Participam do projeto com o jornal os alunos dos 3º, 4º e 5º anos. Eles têm atividades semanais com orientação do Ler para Crescer, que desenvolve atividades junto com as professoras. Participações das crianças já foram publicada no suplemento infantojuvenil Nossa Vez!, da Folha da Região, e nos murais permanentes da escola.
“O jornal é algo dinâmico que está presente em todos os momentos, por isso atende muito bem essa expectativa da meninada, que gosta de tudo mais rápido”, diz a psicopedagoga. “O conhecimento que as crianças adquirem, elas têm que aplicar na vida e o jornal é um instrumento maravilhoso para isso”.



Qual a importância de crianças terem acesso ao jornal?
As crianças vivem em um ambiente letrado. Tudo o que for portador de texto, que tem a ver com a função social da escrita, é importante despertar nas crianças desde cedo. Por exemplo, quando vamos cantar uma música, a professora escreve a letra na frente das crianças para elas entenderem que aquilo que estão cantando está escrito ali e isso tem uma função social. Assim elas entendem qual a importância da leitura e da escrita nesse ambiente e já estão motivadas à alfabetização.

Quais benefícios você acredita que essas aulas com jornal podem trazer para o futuro dos alunos?
O benefício maior é essa ponte entre informação, conhecimento e vida. Hoje, em um mundo cheio coisas muito rápidas como internet e celular, muitos têm conhecimento sem saber o que fazer com ele. E a informação aliada ao conhecimento, ao que acontece no planeta, faz com que eles consigam ter uma leitura mais tranquila de mundo.

Quais as orientações que você passa para os professores?
Tudo o que trabalhamos tem que ter um objetivo, precisa estar contextualizado. Não adianta eu dar uma notícia ou trabalhar um jornal sem que isso esteja aliado ao assunto que eles estejam trabalhando em sala de aula. A professora sempre procura fazer essa ponte entre o currículo estabelecido pelo Ministério da Educação e os jornais.

O que você espera dessas aulas?
Espero que elas ampliem um pouco a visão de mundo das crianças para que elas entendam que o conhecimento não está só na apostila, tem que estar para a vida.

Qual metodologia vocês adotaram?
Primeiro, a Ayne (coordenadora do Ler para Crescer) veio aqui e explicou para as crianças o que é o jornal, como ele é feito e, juntamente com as professoras, desenvolveu algumas atividades. A partir daí, passamos a usar o jornal de maneira lúdica e construtiva para que as crianças estabeleçam o que é mais importante naquela notícia, saibam ler, entender, fazer murais, escrever seus próprios textos.

Como está sendo a aceitação dos alunos?
Eles estão adorando, está muito dinâmico porque é uma aula prática. Então eles saem da carteira, sentam no chão, montam cartazes, fazem os trabalhos e crianças gostam de dinâmicas mesmo.

(Colaborou Flávia Forni)

Nenhum comentário:

Postar um comentário