quarta-feira, 2 de maio de 2012

Aceite este desafio


Ayne Salviano
Folha da Região - 24/04/2012 (B6)

Escrever pra quê? Esta, com certeza, é a pergunta que mais ouço - e respondo - entre os meus alunos do ensino médio. Eles querem que eu ofereça, de pronto, uma serventia para algo que, para eles, é, muitas vezes, penoso. Afinal, escrever é mesmo o último exercício em uma produção de texto. Antes vem a leitura seguida da decodificação das palavras, que levam à interpretação do que foi escrito, mas nem sempre ao entendimento daquilo que só ficou registrado nas mensagens subliminares e nos exercícios de intenção, manipulação e persuasão de um texto. E para isso é preciso ter tanto conhecimento de mundo que cansa só de pensar.

NADA DE DESCULPA
Já não basta explicar a eles que ao final dos três anos no ensino médio eles precisarão passar no vestibular e lá estará ela: a redação, aquela que garante a vaga tão desejada no curso escolhido e na faculdade tão disputada ou aquela que, sem dó, tira a vaga e o sonho dos candidatos. Mocinha ou bandida, simples assim.


POSSIBILIDADES
Sim, é preciso escrever para passar no vestibular, mas também para arrumar um emprego, conquistar alguém, defender seus direitos, expressar-se, criar ‘voz’, ser reconhecido. São tantas as possibilidades.

VOCAÇÃO
E foi pensando em possibilidades e com o objetivo de proporcionar conhecimento acerca da estrutura e do funcionamento do Poder Legislativo aos brasileiros estudantes de 16 a 19 anos que cursam o ensino médio em escolas estaduais, bem como estimular um relacionamento permanente dos jovens cidadãos com o Senado Federal, que foi criado, há dois anos, o Programa Senado Jovem Brasileiro. Integram esta ação um concurso de redação (olha ela aqui, gente!) e o Projeto Jovem Senador.

INSCRIÇÕES ABERTAS
O tema da redação (uma dissertação entre 20 e 30 linhas) este ano é "Meu município, meu Brasil". Os 27 finalistas – um por unidade da Federação – terão a oportunidade de simular, durante três dias, em Brasília, a atuação dos senadores vivenciando o processo de discussão e elaboração das leis do País. Eles poderão, inclusive, apresentar e defender projeto de sua autoria.

PRÊMIOS
Além disso, os finalistas serão premiados com notebooks, medalhas, certificados e publicação da sua redação em livro específico. As escolas receberão computadores, publicações técnicas e certificados. Ganha todo mundo!

ETAPAS
A primeira fase está em andamento. Nesta etapa, as escolas deverão promover atividades destinadas a debater o tema com vistas a estimular a produção dos textos em sala de aula, sob a orientação do(s) professor(es). As atividades preparatórias podem ter caráter interdisciplinar mediante enfoques históricos, geográficos, de direitos e deveres, do exercício político e do fortalecimento da cidadania, bem como outros aspectos pertinentes à temática.

JULGAMENTOS
O(s) professor(es) deverão escolher uma redação por turma, e a direção da escola deverá constituir uma comissão julgadora para escolher, entre elas, aquela capaz de melhor representá-la.

SEGUNDA ETAPA
Nesta fase, secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal selecionarão a redação finalista bem como as redações classificadas em segundo e em terceiro lugares. Todas serão encaminhas ao Senado Federal.

TERCEIRA ETAPA
Em nível nacional, uma comissão julgadora do Senado avaliará, julgará e classificará as redações, selecionando o primeiro, o segundo e o terceiro lugares.

AVALIAÇÃO
Em todas as etapas pede-se que a redação seja avaliada observando a legibilidade, o respeito às margens e a indicação de parágrafos. Serão observados a correção gramatical e sintática, a objetividade, a originalidade, a ortografia, a propriedade vocabular e a organização e o encadeamento das ideias.

IMPORTANTE
É essencial que os alunos participantes deverão ter plena liberdade para expor suas ideias, não sendo permitida a intervenção de outros.

FINALMENTE
Para que se escreve? Talvez para ganhar o concurso do Senado, verificar como são aprovadas as leis neste País, mas especialmente para despertar nos jovens a vontade de participar ativamente na melhoria deste Brasil, que está precisando tanto, não é mesmo?

Ayne Regina Gonçalves Salviano é jornalista e professora. Mestre em Comunicação e Semiótica. Especialista em Metodologia Didática. Professora no ensino médio, graduação e pós na rede particular de Araçatuba. Coordenadora do Programa Jornal e Educação Ler para Crescer da Folha da Região. ayne.salviano@folhadaregiao.com.br

3 comentários:

  1. vc poderia me dar algumas dicas com exemplos de como omo escrever uma redação com esse tema.Eu irei participar do jovem senador mais eu queria uma ajuda para escrever minha redação.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Bruno. Como você deve ter lido aqui, a atividade precisa ser desenvolvida na sua escola, pela sua professora. Ela é sua melhor orientadora, viu?

    ResponderExcluir