quarta-feira, 28 de março de 2012

Som e poesia




Talita Rustichelli
Folha da Região - 28/03/2012 (C1)




Jazz, blues, pop, reggae, rap. Diferentes universos musicais fazem a cama para as letras do músico e escritor londrinense Rodrigo Garcia Lopes. Pela primeira vez em Araçatuba, ele apresentará, nesta sexta, dia 30, parte de seu mais novo trabalho, "Canções do Estúdio Realidade", gravado no início deste ano. O show será realizado no Teatro Paulo Alcides Jorge, com entrada gratuita, e é realizado pelo Sesc.
Acompanhado pelo guitarrista, violonista e contrabaixista André Siqueira (que já dividiu o palco com Almir Sater, Paulo Freire, Gilberto Gil, entre outros), Lopes, auxiliado por seu violão, canta ainda composições de seu primeiro disco, "Polivox", de 2001, em que misturou canções com poemas falados e poemas com trilha sonora composta exclusivamente para eles.
"Canções do Estúdio Realidade é um disco que afirma a diversidade sonora e riqueza poética, e a canção brasileira aflora de várias formas no disco e na apresentação, encontrando sua relação entre palavra, som e música através das sonoridades e ritmos que vão do funk à música erudita, do afoxé ao blues, do folk à balada, entre outros.
Diferente da proposta de "Polivox", o disco "Canções do Estúdio Realidade" reúne apenas canções de sua autoria compostas nos últimos anos, além de poemas musicados, de outros autores. O disco tem o apoio do Promic (Programa Municipal de Incentivo à Cultura, da Prefeitura de Londrina), e será lançado no próximo mês na internet, com distribuição nacional pela Tratore (SP). E o processo de composição de cada música tem uma particularidade interessante.


ATMOSFERA
Entre as músicas que aparecerão no show em Araçatuba, está "Vertigem (Um Corpo Que Cai)", "um funk suave e atmosfera de romance policial", como o próprio autor descreve. Inspirada no clássico suspense de Alfred Hitchcok, de 1958, a canção também faz referência ao poema "Ismália", de Alphonsus de Guimarães.
A letra do rap "New York" foi feita por Lopes em sua passagem por Nova York, dez anos antes do "11 de setembro", na rua, logo após ter entrevistado o músico e poeta John Cage. Já em uma levada folk, "Álibis" foi composta em Chapell Hill (EUA), onde viveu e trabalhou por três anos.
O poema "Adeus", de Paulo Leminski, recebeu um tratamento funk e jazzístico. Foi musicado na década de 90 por Lopes, "numa saudosa república de amigos em Londrina, nas tardes vadias de um inverno muito frio, entre fumaças, vinhos e risos", como conta. A letra de "Iluminações" foi escrita na mesma época (está em seu livro "Solarium", da Iluminuras, 1994), e musicada por Bernardo Pellegrini.

TRADUÇÃO
"Ninguém Melhor Que Ela" é uma tradução da canção "Nobody Does it Better", de Marvin Hamlish e Carole Bager, sucesso na voz da cantora Carly Simon. "Eu havia quebrado o braço em 2010 e meu amigo Maurício Arruda Mendonça sugeriu que eu fizesse a versão enquanto me recuperava. Peguei o violão e fui à luta", lembra.
Lopes, que também é tradutor, tentou ser fiel à letra original de Carole Bager. E como na época escrevia também um romance policial, tratou de acrescentar toques de mistério. Sobre as traduções, em geral, afirma que o tradutor deve ser o poeta do poeta. "Felicidade, para um tradutor, é quando ele consegue recuperar o momento da criação daquele texto na língua de partida na língua de chegada", observa.

PUBLICAÇÕES
Entre traduções e poemas e sua autoria, Rodrigo Garcia Lopes já publicou 12 livros, entre 1990 e 2007. O último foi "Ariel", em que traduziu, em parceria com Cristina Macedo, os poemas da norte-americana Sylvia Plath. Além da escritora, traduziu ainda obras de Walt Whitman, Laura Riding e de Arthur Rimbaud. De poemas seus, publicou mais três além de "Solarium": "Nômada" (Lamparina, 2004), "Polivox", que acompanha o CD homônimo (Azougue, 2001), e "Visibilia" (Sette Letras, 1997). Ainda publicou o livro de entrevistas "Vozes e Visões: Panorama da arte e cultura norte-americanas hoje" (Iluminuras, 1997)

CRIAÇÃO POÉTICA É TEMA DE OFICINA



Além do show na noite de sexta-feira, o poeta e músico Rodrigo Garcia Lopes ministra uma aula de Criação Poética no sábado (31). A atividade acontece das 14h às 18h, na Casa de Cultura Adelino Brandão, em Araçatuba (rua Duque de Caxias, 29, Centro). As inscrições são limitadas e podem ser feitas pelo telefone (18) 3608-5400, gratuitamente.
Indicada para maiores de 18 anos, a oficina tem como objetivo, de acordo com Lopes, introduzir o participante à poesia, ao gosto pela leitura, bem como estimular a sensibilidade e percepção poéticas e desenvolver habilidades de escrita dirigidas para a criação poética e textual.
Como uma espécie de aquecimento, a primeira parte será dedicada a discussões acerca de temas como poesia e sociedade, tipos de linguagem, realidade e percepção, história da poesia, formas poéticas e poesia contemporânea.

INTERSEÇÃO
Além do contato com uma seleção de poemas de autores brasileiros e estrangeiros de diversas épocas e tendências, que serão lidos e discutidos, o participante fará ainda uma viagem pelo universo da poesia.
Serão estudados também exemplos de interseção poesia-música, poesia-história, poesia artes-plásticas, poesia-publicidade, poesia-filosofia e diversos outros gêneros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário