quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Professores devem monitorar uso de novas tecnologias em aula



Antes, cadernos e quadro-negro reinavam absolutos nas salas de aula. Hoje, dividem espaço com tablets, netbooks e lousas digitais. Se os novos estímulos tornam as aulas mais dinâmicas e interessantes, eles podem ser uma ameaça ao rendimento escolar. Para assegurar o bom desempenho de jovens e crianças, especialistas alertam: o acesso às ferramentas tecnológicas deve ser constantemente monitorado.

Desde o ano passado, o Colégio Pitágoras Cidade Jardim, em Belo Horizonte, estimula o uso da tecnologia dentro da sala de aula. Para isso, os cerca de 1.100 alunos têm acesso a diferentes plataformas, disponibilizadas de acordo com a tarefa prevista.



Segundo a gerente de conteúdos e serviços pedagógicos da educação básica da Rede Pitágoras, Adélia Martins de Aguilar, os tablets auxiliam os professores durante a pesquisa. "É um mecanismo para consumo de conteúdo", diz. Já nos momentos de produção textual, por exemplo, a proposta é lançar mão do netbook.

Antes de liberar totalmente o acesso a conteúdos disponíveis na web, a escola deve tomar uma série de cuidados. Segundo Adélia, no caso do Pitágoras, softwares ajudam a monitorar o que os alunos fazem enquanto estão com os olhos grudados na tela. "É possível acompanhar em tempo real tudo o que eles fazem. A mídia é sedutora, dá muitas possibilidades. Eles precisam de orientação", afirma.

Lúcio Teles, professor de Informática na Educação da Universidade de Brasília (UnB) reforça a tese de Adélia. "Para evitar que eles se deslumbrem com as possibilidades da rede, é preciso estar atento ao que acontece durante a aula", diz.

Segundo Teles, softwares que bloqueiam o acesso a alguns sites podem evitar a dispersão - mas, para o especialista, esse não é o método mais adequado. "O estudante precisa ser motivado. Ele deve utilizar a tecnologia a seu favor, somando conteúdo às aulas", explica.

Uma das saídas é organizar a turma em grupos, de modo que um monitore o outro. "Dois ou três alunos podem trabalhar juntos, enquanto o professor circula por entre as mesas. Além de poder acompanhar o processo, torna a aula mais colaborativa", sugere.

Teles diz não ter medo de competir com as novidades. "É normal apresentar resistência no início, mas, para obter êxito e motivar a turma, é preciso se preparar", afirma. O especialista acredita que, atualmente, a maioria dos profissionais não sabe lidar com as novas ferramentas. Adélia conta que, para evitar que o corpo docente trabalhasse com ferramentas com as quais não sabe lidar, o Colégio Pitágoras promoveu capacitações antes do início do projeto.

"Eles conheceram os equipamentos, manusearam os dispositivos, fizeram perguntas. Para conseguir bons resultados, é importante conhecer todas as possibilidades", explica. "Nós queríamos resultado, e a tecnologia permitiu que melhorássemos muito o desempenho de nossos alunos. A grande questão é o docente ter paixão pelo conteúdo e se apropriar de novos métodos, proporcionando avanços em sala de aula", acrescenta.

Fonte: http://www.todospelaeducacao.org.br/comunicacao-e-midia/educacao-na-midia/21392/professores-devem-monitorar-uso-de-novas-tecnologias-em-aula/

Nenhum comentário:

Postar um comentário