sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Estudo aponta que audiência média do ensino médio é de 43%


Cinthia Rodrigues / iG

Das 4 horas previstas de aula, só 1h44 em média são aproveitas; indicador aponta aproveitamento do tempo e frequência.

Um estudo inédito com 18 escolas públicas de ensino médio constatou que a audiência às aulas desta etapa é de menos da metade do tempo previsto. Entre as quatro horas previstas de aula, o grupo de alunos das escolas de alta audiência teve 2h13 de audiência. No grupo médio, o tempo cai para 1h44 minutos e no grupo com baixa audiência, 1h17 minutos. As marcas representam respectivamente 55%, 43% e 32% do total possível.

O novo conceito de audiência criado pelo Ibope – que há 40 anos mede a audiência dos canais de televisão – foi solicitado pelo instituto Unibanco para mensurar a tão falada crise no ensino médio, já que apenas metade dos jovens entre 15 e 17 anos frequenta esta etapa.

A medida verifica o aproveitamento do tempo de aula pelos professores e a frequência dos alunos. “A gente sempre fala deste problema e surgiu a preocupação de saber qual é a real audiência para os alunos que vão à escola”, diz Wanda Engel, superintendente executiva do Instituto.


Durante 10 meses, observadores acompanharam e anotaram a rotina de duas salas de cada uma das 18 escolas. Os pesquisadores passaram uma semana por mês, dentro de duas salas, verificando o aproveitamento das quatro horas possíveis de aulas diárias e a frequência dos estudantes.

O primeiro critério da audiência, chamado de “oportunidade de ensinar”, relaciona se havia aula e quanto tempo de aula foi dado. No grupo 1, de alta audiência, esse critério atingiu 83% das aulas – ou seja, 17% do tempo foi desperdiçado. No grupo 2, com média audiência, 71% do tempo de aula foi aproveitado, e no grupo 3 (baixa audiência), apenas pouco mais da metade das horas de aulas foram dadas 58%.

Um segundo critério, chamado de “oportunidade de aprender”, levou em conta quantos alunos estavam em sala no tempo em que houve aula. No grupo 1, 66% da oportunidade foi aproveitada, no 2, 61% e no 3, 55%.

O tempo que sobra, retirado o desperdício de “oportunidade de ensinar” e de “oportunidade de aprender”, é chamado de audiência. Os grupos de escolas atingiram 55% (grupo 1, maior audiência), 43% (grupo 2) e 32% (grupo 3).

Ana Lima, diretora executiva do Ibope, disse que foi necessário dividir as escolas em três grupos, porque a média não seria significativa. “Não adianta colocar a cabeça no forno, o pé na geladeira e dizer que a temperatura do corpo está média. Da mesma forma, não existe uma escola púbica brasileira, existem escolas e escolas.”

As 18 escolas escolhidas são públicas e participam do programa jovens do futuro, com apoio do instituto Unibanco. Ao todo foram observadas 8.689 aulas.

Do desperdício de oportunidade de ensinar, o principal fator, são as faltas do professores. No grupo 1, professores faltaram em 5% das aulas. No grupo 2, as faltas sobem para 12% e no 3, atingem 19%.
Já a questão da oportunidade de aprender, se dá pela ausência dos alunos. No grupo 1, as turmas tinham média de 38,6 matriculados e 25,7 presentes. No 2, eram 40,5 matriculados e 24,8 presentes. E no 3, a média era de 40,9 matriculados e 22,5 presentes.

A metodologia do estudo será disponibilizada para as escolas, para que as instituições possam medir sua própria audiência.

Fonte: http://www.todospelaeducacao.org.br/comunicacao-e-midia/educacao-na-midia/20207/estudo-aponta-que-audiencia-media-do-ensino-medio-e-de-43/

Nenhum comentário:

Postar um comentário