terça-feira, 18 de outubro de 2011

Especialistas defendem ensino de ciências ligado ao cotidiano


Iniciativas lúdicas para atrair estudantes para as ciências funcionam. Mas, de acordo com especialistas, só se houver continuidade na escola, com um ensino que relacione fórmulas a problemas do cotidiano dos jovens, informa reportagem de Sabine Righetti publicada na Folha desta segunda-feira.

"Precisamos de mais espaço para o aluno pesquisar o que lhe interessa e que tenha utilidade. Não adianta saber as leis de Newton e não saber o que é mudança climática", diz Paulo Blikstein, professor da Universidade de Stanford (EUA).

Ele defende uma reforma no currículo do ensino de ciências, com a cobertura de menos tópicos com mais profundidade.


O Brasil ocupa hoje um dos últimos lugares (53ª posição entre 65 países) em educação de ciências. A avaliação é da OCDE (Organização de Nações Desenvolvidas).

O problema é que o Brasil vai mal na escola e também fora dela: de acordo um levantamento do MCTI (Ministério de Ciência Tecnologia e Inovação), apenas 8% da população frequenta museus de ciência.

"A gente tem de estimular os professores e os estudantes", defende o físico da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Ildeu Moreira.

Ele é coordenador da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, do MCTI. A edição deste ano começa hoje e vai até o dia 23. São mais de 650 instituições inscritas na programação, oferecendo mais de 9.000 atividades.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/saber/991048-especialistas-defendem-ensino-de-ciencias-ligado-ao-cotidiano.shtml
Foto: Divulgação/Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário