quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Etec mostra caminhos para as escolas públicas


Da Redação

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) não é a ferramenta mais adequada para medir o nível da educação no País. É fato, considerando que a prova não é obrigatória, que algumas escolas particulares selecionam seus melhores alunos para fazer o exame e que não existe uniformidade de critérios. Mas ao mesmo tempo em que provoca distorções, essas variações favoráveis a um melhor desempenho de escolas privadas só valorizam ainda mais a performance das escolas públicas no papel de honrosas exceções, superando na força e na raça as limitações impostas pela vergonhosa ausência de políticas públicas mais compromissadas com a qualidade do ensino no País.


A Secretaria de Estado da Educação afirmou, em reportagem publicada pela Folha da Região esta semana, que não se deve comparar o desempenho no Enem das escolas públicas com o das particulares. O objetivo não é avaliar escolas e sistemas de ensino, mas o desempenho do aluno ao final da escolaridade básica, justificou o governo de São Paulo. Uma observação contraditória, porque o próprio Ministério da Educação se encarrega, por meio do Enem, de elaborar o ranking e explicitar a comparação, que é inevitável e necessária. Observadas as ressalvas, o exame pode e deve servir de parâmetro para comparações.

Com base nesse ranking, Araçatuba sabe, por exemplo, que no município as quatro primeiras colocadas são escolas particulares. Sabe ainda que a melhor colocada entre as escolas públicas de Araçatuba é a Etec (Escola Técnica Estadual), a quinta na classificação geral do município. A Etec aparece à frente de outras quatro instituições privadas. Em sétimo no ranking, a escola Professora Licolina Villela Reis Alves é melhor avaliada que três estabelecimentos particulares. Entre as 10 primeiras colocadas de Araçatuba, portanto, duas são escolas públicas e as três últimas nesse seleto grupo são particulares.

A reportagem mostrou alguns exemplos que ajudam a explicar o desempenho da Etec. Rigoroso e organizado controle disciplinar e de frequência dos alunos, estudantes com melhores notas atuando como voluntários para auxiliar no aprendizado dos demais, capacitação de professores, compensação de faltas dos mestres aos sábados, além de atividades em horários alternativos. É assim que a Etec se consolida como uma belíssima exceção. Mas o grande desafio é esse: transformar exceções em regra, porque não são raros os casos de alunos de escolas públicas que concluem o ensino médio sem saber resolver as mais básicas questões de matemática e com dificuldades para interpretar textos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário