terça-feira, 6 de setembro de 2011

Data celebra compromisso com a educação no planeta


Na próxima quinta-feira, 8 de setembro, celebra-se o Dia Internacional da Alfabetização. Nessa data, em 1967, a ONU (Organização das Nações Unidas) e a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) instituíram a data com o objetivo de despertar a consciência da população para a necessidade de um compromisso mundial com relação ao desenvolvimento e à educação. As duas entidades partem do princípio que a educação é a chave para um desenvolvimento duradouro.

De acordo com os Relatórios de Monitoramento Global da EPT (Educação Para Todos), a alfabetização é fundamental para que os direitos individuais sejam alcançados. Ela gera benefícios humanos, sociais e econômicos. "A alfabetização é um direito humano, uma ferramenta de empoderamento pessoal e um meio para o desenvolvimento social e humano", enfatiza a Unesco, que criou a Declaração do Milênio, com os objetivos que pretende alcançar até 2015.


A ONU e a Unesco se comprometeram a diminuir os índices de analfabetismo no mundo. Hoje, apesar da situação ter melhorado, cerca de 25% de adultos e jovens - aproximadamente 900 milhões de pessoas - dos países em desenvolvimento e pobres ainda são analfabetos.

BRASIL
Mas quando um ser humano deixa de ser analfabeto? A definição mais básica, dos dicionários, ensina que é quando ele desenvolve habilidades para leitura e escrita, tornando-se capaz de identificar e decifrar os códigos escritos. Já para o pedagogo Paulo Freire, "a alfabetização é mais, muito mais, que ler e escrever. É a habilidade de ler o mundo, é a habilidade de continuar aprendendo e é a chave da porta do conhecimento".

O Brasil participa do Programa Life - Iniciativa de Alfabetização para o Empoderamento. A ação é considerada um marco estratégico mundial e um mecanismo operacional-chave para atingir objetivos e propósitos das Nações Unidas.
O programa está sendo implementado em outros 35 países cujos índices de alfabetização estão abaixo de 50% da população ou com mais de 10 milhões de analfabetos. No Brasil, o Censo 2010 apontou que 9,6% da população com 15 anos ou mais é analfabeta, especificamente 13.940.729 pessoas.

ARAÇATUBA
A região de Araçatuba tem 37.126 pessoas em situação de analfabetismo. O percentual de moradores que não sabe ler nem escrever chega a 6,2% da população nos 43 municípios, superando o índice do Estado de São Paulo, de 4,3%. Profissionais da educação avaliam as estatísticas locais como "assustadoras". Para se ter uma dimensão do problema, os analfabetos superam a população de Guararapes, de 30.597 habitantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário