sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A história do Brasil em música

 Por Talita Rustichelli

Cinco instrumentistas sobem ao palco do teatro do Sesi, hoje, em Birigui, com um jornalista especializado em música. Juntos, vão apresentar um show que alia história e música. A orquestra de câmara paulista Cantilena Ensemble e o crítico musical Irineu Franco Perpétuo são as atrações do espetáculo "A história do Brasil através da música", que inicia às 20h, com entrada gratuita.

Durante 60 minutos, um quinteto de cordas executa um repertório composto por músicas clássicas de autoria de conhecidos músicos que permearam com relevância a arte no Brasil. A apresentação é dividida em seis momentos: Período Colonial, Período Joanino, Império, República, Período Vargas e Contemporâneo.


Respectivamente, serão apresentadas as composições Passacaglia (de Handel, com arranjo de Mahle, alemão naturalizado brasileiro), Modinha (autor desconhecido, mas que foi transcrita por Mário de Andrade), Burrico de Pau (de Carlos Gomes), Serenata (de Nepomuceno), Bachianas Brasileiras nº 4 (Villa-Lobos) e Mourão (de Guerra-Peixe).

Nos intervalos entre as músicas, o jornalista fará comentários sobre os períodos da história do Brasil aos quais pertencem as peças, apresentando as características de cada uma das obras executadas pelo grupo. Enquanto os músicos tocam, serão projetadas imagens em um telão, que retratará os períodos por meio de fotos, obras de arte, arquitetura e filmes curtos, ressaltando fatos de destaque.

Irineu Franco Perpétuo é colaborador do jornal Folha de São Paulo, da revista Concerto e é correspondente no Brasil da revista Ópera Actual, de Barcelona. Foi colaborador da revista Bravo! e participou durante seis anos como jurado do extinto programa Prelúdio, da TV Cultura.

CURIOSIDADES
De acordo com Perpétuo, a ideia da contextualização é levar ao público curiosidades e fatos que possam lhes proporcionar uma aproximação entre eles, a música e os compositores. "Difícil dizer exatamente o que vou falar porque eu falo de improviso. Posso contar, por exemplo, que Guerra-Peixe fez o arranjo de 'Pra frente, Brasil', jingle da Seleção brasileira na Copa de 1970", diz.

Outras curiosidades que Perpétuo cita são os fatos de Carlos Gomes ter sido o primeiro brasileiro a fazer sucesso internacional, ao ter a ópera Il Guarany aclamada no Scala de Milão (uma das mais conhecidas casas de ópera do mundo), em 1870, e de Villa-Lobos ter sido autodidata como compositor, além de sustentar-se tocando violoncelo em cinemas e tocar violão nas noitadas dos chorões cariocas.

COMPLEMENTO
O crítico musical afirma que a intenção não é transformar o espetáculo em aula. "Não é uma aula, é um concerto. Eu vou falando as coisas de maneira bem informal - não leio um texto escrito, falo tudo como se fosse um bate-papo. Quero só dar uns dois ou três dados que ajudem no desfrute da música. Trata-se de um espetáculo musical. A fala é um acessório, um complemento da música, que é o foco principal", afirma.

Segundo Perpétuo, pelo formato apresentado, o concerto é voltado a pessoas leigas em música erudita, mas pode ser igualmente conferido pelo público que já está habituado a este gênero, já que é uma apresentação diferente de outros concertos convencionais.

INTEGRANTES
A orquestra possui 12 integrantes, que se revesam. O quinteto que virá a Birigui é formado por: Francisco Krug (violino), Luiz Barrionuevo (violino), Eric Licciardi (viola), Thiago Faria (violoncelo) e Walter Valentini (contrabaixo).

A violinista Maria Fernanda Krug, uma das fundadoras do grupo, afirma que a Cantilena Ensemble foi formada em 2006, após a musicista regressar da Europa, onde integrou a Orquestra Salzburg Chamber Soloists, sediada em Salzburgo, Áustria. "Ao voltar ao Brasil, inspirada em minha experiência no exterior, decidi dar início a este projeto, que conta com o apoio da Art Invest (empresa especializada na realização de concertos de música erudita e instrumental). Fizemos nosso primeiro concerto em 2007", conta.

Grupo vai participar de festival em Toronto, no Canadá 
A violinista Maria Fernanda Krug explica que o espetáculo tem como objetivo contar a história do Brasil por meio da música, a fim de despertar o interesse do público para estes temas.

"Este concerto nasceu com este objetivo, mas também tem a finalidade de formar plateias para a música clássica. Na verdade, tem agradado a todo tipo de público”.

Conforme ela, até hoje, a grande maioria dos locais onde a orquestra se apresentou estava lotada. “Pudemos constatar que entre este público havia muita gente jovem, diferente da Europa, por exemplo, onde a maioria das pessoas que ouvem e assistem música erudita são mais velhas", completa.

AGENDA
Segundo Maria Fernanda, o concerto "A história do Brasil através da música" estreou em 2009, e desde então já estiveram em diversas cidades, como Campinas, Piracicaba, Araraquara, Osasco, São José do Rio Preto, entre muitas outras.

Dentro da programação musical do Sesi de 2011, é a primeira apresentação da orquestra, e será seguida de outras seis pelo Estado.

"Temos 23 concertos agendados para este segundo semestre e estamos nos preparando para, em fevereiro do próximo ano, participar do Festival de Música Brasileira que acontece em Toronto, no Canadá", complementa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário