quarta-feira, 20 de julho de 2011

Caridade, em todos os dias

Por Gregório Carlos Rodrigues

Em todo dia 19 de julho, por decreto do então presidente Humberto Castelo Branco, é comemorado o Dia da Caridade.

Hoje há lei específica (LOAS, a Lei Orgânica da Assistência Social, de dezembro de 1993), que coloca como direito do cidadão e dever do Estado suprir suas necessidades mínimas. Mas, não foi sempre assim. Antes da era Cristã a caridade simplesmente não existia e tudo se baseava na justiça (do mais forte) que cobra. E não perdoa.

Orientando a marcha inexorável da evolução do ser humano, Jesus nos traz novos paradigmas, ensinando que toda a lei e os profetas estão contidos na máxima “Amai a Deus, ao próximo e a si mesmo”. O amor resume inteiramente a doutrina do Cristo. E o que é o amor, senão a caridade em movimento?


Nos dias atuais, compreendemos um pouco mais sobre essas forças que movem e moldam os homens, pois é no exercício da caridade que realmente nos transformamos, que aprendemos a amar. Ainda temos muito que caminhar e, se já avançamos, é graças a pessoas como Francisco de Assis, Tereza de Calcutá, Chico Xavier e tantos outros aprendizes do Mestre, que inspiraram muitos por este mundo afora e que anonimamente enfrentam dificuldades sem conta, que têm coragem para fazer o bem ao próximo.
Sim, eu disse coragem. Porque é preciso ter coragem para fazer caridade. Não estou falando do tostão tirado do bolso, de dar o que lhe sobra, ou daquela ação praticada apenas entre amigos. Isso é fácil.

Falo de doar-se sem querer nada em troca, seja lá por quem for. De retribuir o mal com o bem. Falo da caridade expressada por Paulo na 1ª Epístola aos Coríntios: "(...) a caridade é paciente; é doce e benfazeja; a caridade não é invejosa; não é temerária e precipitada; não se enche de orgulho; não é desdenhosa; não procura seus próprios interesses; não se melindra e não se irrita com nada; não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre (...)”.

Conceito tão antigo e ainda pouco compreendido. Decretos e leis podem matar fome e sede materiais, mas não matam a fome e a sede do espírito. Para estas, é preciso o coração aberto dos simples e corajosos, que se abstêm da crítica, julgamento e condenação; que não cobram, perdoam; que tudo suportam; tudo creem; tudo esperam; tudo sofrem.

Daqueles que, como os Franciscos do mundo se doam incondicionalmente porque acreditam na máxima do Cristo. Ele, que desceu dos céus e enfrentou a fúria humana para que sua doutrina de amor se espalhasse pela Terra, em benefício dos próprios homens. Isto é caridade.

O Espiritismo, o Consolador prometido, tem por meta principal o espírito, o ser em sua realidade imortal, mas sem menosprezar as urgências dos estômagos a saciar ou doenças a curar.
Tem na caridade moral o seu maior campo de trabalho. Paulo, o apóstolo, continua a nos ensinar em O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo 15, Fora da caridade não há salvação. “Nesta máxima estão contidos os destinos dos homens, porque à sombra deste estandarte eles viverão em paz”.

O futuro, no entanto, encontra-se aqui, a depender de nós todos e de cada um, em particular. Deus usa os homens para ensinar os próprios homens. É no burilar das nossas potencialidades e fraquezas, nos entreveros da vida, que aprendemos os valores que nos credenciarão a viver num mundo de paz e harmonia.

Não temos tempo a perder. A divulgação e a vivência dessas verdades também são caridade, assim como a divulgação dos ideais espíritas, na medida em que a verdade nos liberta.

Para nós, espíritas, a maior caridade que deve ser feita à Doutrina Espírita é a sua divulgação. Ontem, 19 de julho, também foi o dia de comemorar os 62 anos de fundação da USE (União das Sociedades Espíritas) de Araçatuba. Em 1949, com abrangência apenas municipal. Atualmente, a USE é intermunicipal, extensiva a Santo Antônio do Aracanguá.

E hoje, 20 de julho, em mais uma data sugestiva (Dia do Amigo e Dia Internacional da Amizade), fica uma dica: praticar a caridade junto a familiares e amigos já é um começo. Felizes dias...

Nenhum comentário:

Postar um comentário