quinta-feira, 14 de julho de 2011

Bravo! Bravo!

Por Talita Rustichelli


Quando se fala em circo, a primeira imagem que se forma na mente é a de uma lona abrigando um picadeiro e o palhaço como uma de suas figuras centrais. Mas este ser tão emblemático, que povoa a imaginação popular com histórias de alegrias e tristezas, ganhou outros cenários. Seja em um palco de teatro, em uma praça ou em outro espaço alternativo, o palhaço recebe também um tratamento dramatúrgico, sendo personagem de histórias e objeto de estudo.

Sob este aspecto, o Sesc Birigui realiza a partir de hoje a primeira edição do projeto circense "Bravo! Bravo!", que terá em sua programação apresentações de montagens que priorizam o palhaço, além de um espetáculo de ilusionismo. Paralelamente às apresentações, acontecerão oficinas com os grupos que se apresentarão. Todas as atividades são gratuitas.


Segundo a animadora cultural da unidade, Graziela Nunes, o Sesc tem o circo como uma linguagem à parte do teatro. "Agora, a instituição dedica uma atenção especial à linguagem circense, por entender que ela tem diferenciais, além de ser universal, chamando a atenção de públicos variados", diz.

ATRAÇÕES
A maioria dos espetáculos, de acordo com Graziela, serão apresentados por companhias da região de Araçatuba. No primeiro dia, a atração será a peça "Palhaços", às 20h30, com o grupo araçatubense "Pregadores do riso". O espetáculo acontece no Barracão da Escola de Samba Unidos da Zona Leste, em Araçatuba, e será seguido de uma conversa com o ator Umberto Magnani.

No mesmo dia, Birigui recebe o espetáculo "K3", com o ilusionista Marcelo Beutrin e seus assistentes, Mister Klaus, Sr. Kuater e Konstantino, às 19h, no Sesc (rua Egídio Navarro de Oliveira, 700, Vila Bandeirantes). No espetáculo, os assistentes fazem questão de mostrar a Beutrin o quanto são competentes, necessários e dedicados.

O único espetáculo de um grupo de fora da região de Araçatuba é o "Sanduba Delivery", com a Cia. Suno, de Santos. O palhaço Sanduba, vestido de garçom, chega com sua bicicleta e distribui à plateia cardápios com dez cenas, das quais poderão ser escolhidas cinco. A apresentação será dia 31, domingo, às 20h, na Praça João Pessoa, em Araçatuba.

REGIÃO
A Cia. Amado Amado, de Birigui, apresenta-se nas cidades de Promissão, dia 29, às 15h, no Anfiteatro Municipal Mauro Ferreira Gama, e em Brejo Alegre, dia 30, às 15h, no Centro Comunitário da cidade. O grupo leva o espetáculo "Circo de Quintal", em que o palhaço Popó tenta de todas as formas garantir seu show num "circo de um palhaço só", utilizando bonecos, música, malabarismo e paródias de números tradicionais circenses.

OFICINAS
As atividades de formação são: "Iniciação à Arte Mágica", com Marcelo Beutrin, para crianças de 8 a 12 anos, dia 14, das 14h às 17h (no Sesc Birigui); "Ensina-me a ser Palhaço", para público a partir de 16 anos, com a atriz, coreógrafa e mímica Helena Figueira, no dia 31, das 14h às 17h (no Polo Avançado do SESC em Araçatuba); e "Olha Eu Aí de Palhaço", dia 31, das 10h às 12h (no Sesc Birigui), para interessados a partir de 12 anos.

PROGRAMAÇÃO
De acordo com Graziela, o evento integrará a programação anual da unidade Sesc Birigui. "A intenção é conservar a magia do circo, mas trabalhá-lo sob uma ótica diferente, levando-o para fora do picadeiro. Os espetáculos têm características dramatúrgicas; são apresentados não como um show de variedades, mas como uma história com um enredo", explica. Segundo ela, nas próximas edições o circo será abordado com mais pluralidade e serão trabalhadas, além do palhaço, outros tipos de performances que remetem à arte circense.



Ator Umberto Magnani fala hoje sobre a peça ‘Palhaços’
Após uma sessão do circo, Benvindo vai ao camarim do palhaço Careta para cumprimentá-lo. Em busca de uma fantasia, o fã se depara com um palhaço provocador e realista, que confronta sua inércia e o faz entrar em conflito com seus anseios. Incitando a uma reflexão sobre direcionamentos e escolhas, o espetáculo "Palhaços", que será apresentado pelo grupo "Pregadores do Riso" hoje, será o tema da conversa com o ator Umberto Magnani.

Magnani interpretou o texto de Timochenco Wehbi em sua estreia, em 1971, junto com o ator e diretor Emilio di Biasi. "Na época, tínhamos outro contexto, nosso enfoque era político, o lado social, até mesmo pela questão da ditadura militar. A montagem dos 'Pregadores' traz o texto para a atualidade, respeitando-o, mas investindo no lado psicológico que a trama oferece", afirma.

O ator lembra que chegou a apresentar o espetáculo em Araçatuba no teatro da Associação Nipo-brasileira, entre os anos de 1971 e 1973, anos em que a montagem ficou em cartaz.

DIREÇÃO
Em um dos festivais de teatro dos quais os "Pregadores do riso" Flávio Estevão e Marcelo Messias participaram, tiveram contato com o filho de Umberto, Beto Magnani, que lhes apresentou o texto e acabou por dirigir a montagem. "O processo de ensaios e direção valeu a pena para todos. O texto é difícil, mas eles são ousados e estão realizando um bom trabalho", afirma Beto.

COMPANHIA
O grupo araçatubense foi criado em 2001 e se apresentou em diversos festivais e mostras no interior de São Paulo e em outros estados. Em 2010 fez suas primeiras apresentações fora do país, levando seus clowns para Portugal. A dupla representará a cidade de Araçatuba na fase regional do Mapa Cultural Paulista de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário