quarta-feira, 22 de junho de 2011

É possível melhorar

Por Ayne Salviano

Até o próximo dia 1o. de julho, a Microsoft estará com inscrições abertas para um prêmio que estimula os “educadores inovadores”. Podem participar professores de escolas públicas de educação básica municipais e estaduais além dos NTEs (Núcleos de Tecnologia Educacional), fundações e instituições de ensino sem fins lucrativos que atuem no ensino formal. Também os profissionais de escolas técnicas que lecionem disciplinas de educação básica, como português, matemática, ciências, entre outras.

Categorias
Todos podem se eleger nas categorias: Inovação em Comunidade: Aprendizagem Além da Sala de Aula; Inovação em Colaboração: Aprendizagem Colaborativa; Inovação em Conteúdo: Construção do Conhecimento, e Pensamento Crítico.

Outra possibilidade
Educadores de escolas técnicas municipais, estaduais e federais ligados a cursos na área da Tecnologia da Informação (TI) têm uma categoria específica: Educador Inovador – Escola Técnica.

Como funciona
Os educadores poderão se inscrever em cinco categorias, sendo que os membros do Comitê de Seleção poderão realocar os projetos de categoria se assim acharem necessário e sem aviso prévio, estritamente com a finalidade de garantir a correta aderência do projeto com a categoria mais adequada à premiação. Mais informações estão disponíveis no site Educadores Inovadores.

Fácil
Ao contrário do que alguns imaginam, um projeto inovador que utiliza tecnologia para transmitir conhecimento aos alunos não precisa ser algo complexo. Muitas vezes, basta uma boa ideia que utiliza ferramentas digitais de forma simples e, pronto: os avaliadores podem contemplar seu trabalho com um prêmio.

Ideias
Na 5ª edição do prêmio, a “Escola na Nuvem”, dos professores Adriana Oliveira e Diogo Machado, da escola Francisco Coelho Ávila Júnior, de Cachoeiro do Itapemirim (ES), recebeu o 1º lugar na Categoria Inovação em Colaboração da etapa regional e o 2º lugar na Categoria Inovação em Conteúdo da categoria mundial. O projeto trabalhou o conceito tecnológico de computação nas nuvens com os alunos do ensino fundamental, médio e professores. Mostrou como todos ganham independência de discos físicos como CDs, HDs e pen drives por meio da utilização das ferramentas do Windows Live. O projeto expandiu as fronteiras dos participantes na medida em que a comunidade escolar criou um blog, interagiu nas redes sociais e compartilhou o conhecimento adquirido.

Internet rural
Denominado Campo Sustentável, o projeto das professoras Edilene Cristina Rodrigues e Andréa Cristiane Rodrigues, do Centro Estadual Integrado de Educação Rural de Vila Pavão, também no Espírito Santo, recebeu o prêmio de 2º lugar na Categoria Inovação em Comunidade na categoria regional. Voltado aos estudantes do ensino fundamental e médio, o trabalho consistiu em criar uma rede de troca de conhecimentos, onde os alunos da zona rural aprenderam sobres as TICs e tiveram a possibilidade de ensinar seus pais, a maior parte agricultores. As oficinas foram dedicadas a ensinar aos pais a fazerem uso de recursos disponíveis na internet, como previsão climática, cotação de preços, modo de produção e participação em programas de incentivo, o que auxilia na produtividade e melhoria do trabalho na terra.

Enquanto isso, no Rio
Siddharta Dias de Almeida Fernandes e Ana Paula Pitta, do Colégio Pedro II, do Rio de Janeiro, colocaram a ecologia em foco e receberam o 3º lugar na Categoria Colaboração, categoria regional. Realizado com os alunos do 7º ano do ensino fundamental, o projeto foi baseado na aprendizagem cooperativa, na troca e construção do conhecimento. Consistiu na criação de filmes de animação em stop motion sobre o tema ecologia urbana. O trabalho interdisciplinar utilizou a linguagem audiovisual e abordou disciplinas como ciências, geografia, português, artes, desenho e informática educativa.

Em casa
Profissionais da educação de Araçatuba e região já estão atentos à necessidade de aliar as novas tecnologias à educação. Muitas escolas públicas que o Ler para Crescer visitou ao longo deste primeiro semestre estão com seus laboratórios de informática montados, embora existam algumas preocupações, a principal delas: a falta de formação do próprio professor para trabalhar de forma eficiente com as novas tecnologias.

Ajuda
Neste aspecto, o Ler para Crescer e a Folha da Região estão preparando um novo calendário de cursos de formação continuada para educadores que inclui um módulo sobre elaboração de blogs. As escolas estão interessadas? Aguardamos as manifestações pelo email: lerparacrescer@folhadaregiao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário