sexta-feira, 27 de maio de 2011

Governo suspende kit contra homofobia

Folhapress

A presidente Dilma Rousseff determinou a suspensão da produção e distribuição do kit contra a homofobia em planejamento no Ministério da Educação ontem, e definiu que todo material do governo que se refira a "costumes" passe por uma consulta aos setores interessados da sociedade antes de serem publicados ou divulgados.

Segundo o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral), Dilma considerou o material do MEC "inadequado" e o vídeo "impróprio para seu objetivo".


A manifestação ocorreu na esteira de uma reunião de Carvalho com a bancada evangélica da Câmara. O grupo de parlamentares chegou a ameaçar o governo com obstrução da pauta no Congresso, colaborar com assinaturas para convocar o ministro Antonio Palocci (Casa Civil) a se explicar sobre sua evolução patrimonial e propor uma CPI para investigar o MEC.

GAROTINHO
Na terça-feira, no plenário, o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) chegou a pedir a demissão do ministro da Educação, Fernando Haddad.

Mesmo depois das declarações do Planalto, Gilberto Carvalho afirmou que não há "toma lá, dá cá" entre o governo e a bancada evangélica na questão do kit e da convocação de Palocci.

O MEC nega que o kit e os vídeos que vazaram na internet tenham sido aprovados pelo ministério. Eles teriam sido produzidos por ONGs que prestam serviços à pasta e ainda estariam em avaliação.

Os parlamentares da bancada evangélica afirmam que os vídeos e a cartilha "são um estímulo ao homossexualismo".
"Mostramos ao ministro Gilberto Carvalho que é virulenta a maneira como o material está sendo aplicado", disse o ex-governador do Rio.

REPERCUSSÃO
A ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) divulgou, no início da noite de ontem, nota considerando a suspensão do kit educativo do projeto “Escola Sem Homofobia” pela presidente Dilma um "episódio infeliz" que configura "um retrocesso no combate a um problema -a discriminação e a violência homofóbica- que macula a imagem do Brasil internacionalmente no que tange ao respeito aos direitos humanos".

De acordo com o texto, as 237 entidades de todo o país afiliadas à associação receberam a notícia "com perplexidade, consternação e indignação". A nota lembra ainda que o Brasil é um Estado laico desde 1890
Para a associação, uma das maneiras de reduzir a violência homofóbica é por meio da educação. Apesar disso, a ABGLT afirma entender que o programa não foi finalizado, e recomenda à presidente que reconsidere sua decisão, além de pedir que ela e a Secretaria-Geral da Presidência recebam representantes do movimento para discutir o tema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário