segunda-feira, 28 de março de 2011

Irmã Água

por Padre Charles Borg

Diariamente são despejados bilhões de litros de resíduos in natura nos rios, nos lagos, nos mares. As estatísticas oficiais dão conta de que são menos de 44% as residências ligadas a uma rede de esgoto. Quando se toma consciência que deste total de resíduos apenas 30% é tratado percebe-se a dimensão da tragédia. E a urgência com que deve ser tratada.

Muitas são as doenças provocadas pelo contato direto com dejetos humanos e quem mais sofre com esta falta de higiene são as crianças e a classe pobre da população. Contudo, e para confirmar que a humanidade constitui mesmo uma única família, e o que atinge uma classe acaba refluindo nas outras, muitos turistas, recentemente, tiveram que encurtar suas férias no litoral paulista atingidos por um surto de diarreia.


A negligência e o descaso equipararam pobres e ricos, no Estado mais desenvolvido da Federação. Desconversar ou ignorar a questão do saneamento básico, diretamente ligada à oferta de água limpa, é tornar-se cúmplice num dos mais graves atentados contra a saúde pública. Propondo o tema Vida no Planeta sob o prisma da Fraternidade, a Igreja alerta que cuidar da vida, da água, do ar puro, é responsabilidade ética e moral. Atentar contra ela torna o agressor 'réu em juízo' segundo a sentença do Mestre Jesus. Sabiamente, Ele aconselha, é bom reparar os danos enquanto é tempo!

A água é um presente. É dom de Deus. Não é o Homem quem a produz. Lhe é oferecida abundante, límpida. Ao Homem cabe apenas proteger e preservar seus cursos naturais. Quando, pois, se toma consciência que além de não preservar o Homem ainda polui o que recebe de uma forma limpa e abundante, e de que precisa tanto, pois afinal sem água não há vida, francamente, a irresponsabilidade é criminosa. Intolerável! E se a humanidade não acordar, as consequências serão, previsivelmente, trágicas.

Os governos são responsáveis pela urgente melhoria nos sistemas de saneamento básico. Ilusão pretender melhorar o índice de desenvolvimento humano se não cuidar do tratamento do esgoto. Por outro lado, é fundamental e indispensável a colaboração de toda população não somente no cuidado de não poluir, de preservar matas ciliares, mas, acima de tudo, de não desperdiçar. Estima-se em 45% o desperdício de água ofertada pelos sistemas públicos. Clamoroso absurdo! Os recursos hídricos são generosos, mas limitados.

Água é vida. Água de boa qualidade é sinônimo de vida plena e feliz. Razão e perspicácia possuía são Francisco de Assis ao tratar a água como irmã. Seu exemplo inspira a cada homem e a cada mulher a sempre agradecer e reverenciar a 'irmã água'!

Padre Charles Borg é vigário-geral de Araçatuba e escreve aos domingos neste espaço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário